A Câmara de Arcos de Valdevez manifestou-se contra a construção da linha de muito alta tensão entre Ponte de Lima e Fonte Fria, na Galiza, Espanha, apelando ao chumbo do projeto na Avaliação de Impacte Ambiental. A autarquia do distrito de Viana do Castelo esclarece que, em reunião camarária, se pronunciou “desfavoravelmente sobre a concretização do projeto de atravessamento da Linha Dupla Ponte de Lima – Fonte Fria, troço português, a 400 kilovolt (kV)”.

“A Câmara propõe que a Comissão de Avaliação de Impacte Ambiental se pronuncie contra e considera que deverão ser equacionadas e trabalhadas outras soluções que não conflituem com o bem-estar das populações e com a valorização social e económica do território”, sustenta o município, que tem 18 freguesias abrangidas pela linha.

“No concelho, o projeto apresenta dois traçados alternativos de passagem – uma na área poente e outra na área nascente do território. A autarquia considera que qualquer uma das alternativas tem efeitos negativos na saúde e bem-estar das pessoas”, observa, em relação ao projeto que afeta cinco concelhos do Alto Minho e um de Braga.

A linha, acrescenta, atravessa “aglomerados habitacionais, espaços urbanizáveis, agrícolas e florestais, bem como espaço classificado como Reserva da Biosfera, declarada pela UNESCO, provocando prejuízos ambientais, sociais e económicos”.

Em causa está a construção de uma linha elétrica de 400 kV desde Fonte Fria, em território galego, Espanha, até à fronteira portuguesa, com o seu prolongamento à rede elétrica nacional, no âmbito da Rede Nacional de Transporte operada pela empresa REN.