Alto Minho e Galiza assinaram reconhecimento da fronteira no rio Minho

Os cinco presidentes de Câmara dos concelhos banhados pelo rio Minho e os oito congéneres da Galiza encontraram-se a meio do curso internacional de água para assinarem o auto de reconhecimento de fronteira do Rio Minho.
Através de uma navegação pelo Tramo Internacional do Rio Minho (TIRM), foi efetuado o reconhecimento da linha de fronteira entre ambas as nações, na extensão correspondente às suas respetivas circunscrições jurisdicionais. Assim foi reconhecido que este espaço fluvial do Rio Minho, neste seu tramo internacional que serve de fronteira entre ambas as nações, não sofreu qualquer alteração que não a normal e natural do curso de águas do próprio rio.
“Os presidentes das Câmaras Municipais embarcaram na lancha de fiscalização Rio Minho, em Vila Nova de Cerveira, e os alcaldes e alcadesas embarcaram na Cabo Fradera, em Tui, navegando ambos os navios, em direção a um ponto de encontro, previamente definido, nas imediações de Vila Nova de Cerveira, no rio Minho. Com os navios fundeados de braço-dado nas águas do TRIM, formalizou-se o ato da assinatura, acrescentando-se deste modo, mais uma peça à história deste troço internacional”, especificou o capitão do porto de Caminha, Pedro Santos Jorge, em comunicado.
A cerimónia aconteceu a bordo da lancha Rio Minho com os representantes dos municípios portugueses de Caminha, Melgaço, Monção, Valença, Vila Nova de Cerveira, e dos vizinhos concelhos galegos de A Guarda, Arbo, As Neves, Crecente, O Rosal, Salvaterra do Miño, Tomiño e Tui.
O capitão do porto de Caminha disse que o documento assinado na cerimónia tem como objetivo “ratificar o reconhecimento efetuado das respetivas secções de fronteira do rio Minho, em ambas as margens, pelos respetivos autarcas”. A iniciativa, promovida pela capitania de Caminha e pela comandância naval do Minho, serve ainda “para partilhar e fomentar o intercâmbio de ideias e iniciativas, com o objetivo de preservar, desenvolver e promover a gestão conjunta deste curso internacional de água”, acrescentou o capitão. O evento contou com o apoio da Marinha Portuguesa, da Autoridade Marítima Nacional e da Armada Espanhola.