Morreu Agostinho Santos, um dos maiores embaixadores do Alto Minho na “cidade maravilhosa”

O presidente da Casa do Minho do Rio de Janeiro, Agostinho Santos, morreu este sábado aos 77 anos. Agostinho Santos mantinha uma relação muito próxima com Viana do Castelo, onde lhe foi atribuída a distinção de Cidadão de Honra, em 2017. No ano seguinte, Agostinho Santos presidiu à Comissão de Honra da Romaria da Senhora d’Agonia, a convite do então presidente da Câmara, José Maria Costa.

Nas redes sociais, o anterior autarca de Viana lamentou a sua morte. “Viana do Castelo, o Minho e Portugal perdem um grande amigo e um homem bom”, escreveu José Maria Costa.

A notícia do falecimento deste minhoto de alma e coração foi confirmada nas redes sociais da Casa do Minho com uma estrofe da sua autoria: “Adeus Minho querido, adeus, vou-te deixar, adeus, parto embalado, na esperança de cá voltar.”

Com Agostinho Santos ao leme, a Casa do Minho do Rio de Janeiro sempre manteve uma relação também muito próxima com o Santoinho, o típico e reconhecido arraial minhoto localizado em Darque. Por causa dessa relação, que foi criada ainda no tempo do fundador do Santoinho, António Cunha, e que o seu filho Valdemar Cunha e atual admnistrador fez questão de dar continuidade, o Rancho Folclórico Maria da Fonte, “filho mais velho” da Casa do Minho, comemorou 65 anos no maior arraial minhoto da região, em 2019. E foi pela mão de Agostinho Santos que a Casa do Minho do Rio de Janeiro passou a replicar o arraial do Santoinho na “cidade maravilhosa”. De acordo com Valdemar Cunha, o arraial promovido pela Casa do Minho “é praticamente igual” ao original. “Para além de um grande amigo, sempre foi um embaixador do Alto Minho e do Santoinho no Brasil e dinamizador cultural com uma grande obra na cidade do Rio de Janeiro”, escreveu a Quinta do Santoinho, nas redes sociais.