Jorge Sárria não diz a verdade

0
1044

Fernando Pereira (Costa) # Opinião

O Semanário “Alto Minho” foi alvo de um vil ataque de Jorge Sárria, o presidente da Associação de Futebol de Viana do Castelo, numa entrevista à Rádio Geice. Entre outras declarações, Jorge Sárria expôs as suas opiniões e convicções, legitimamente salvaguardadas pela Liberdade de Expressão consagrada na Constituição da República Portuguesa, valor que este jornal sempre defendeu e defenderá. Por isso, porque todos temos direito a dizer disparates e burrices, não iremos recorrer às instâncias judiciais para defender o bom nome do jornal e dos nossos jornalistas, que manifestamente Jorge Sárria tentou desacreditar e prejudicar, procurando passar a mensagem aos pretensamente poderosos homens do futebol e fazendo crer que os próprios autarcas da região deploram o jornal em surdina. Ou seja, além de atacar o jornal, insulta os autarcas, chamando-lhes cobardes, já que até hoje nunca algum autarca desta região achincalhou o “AltoMinho” como o presidente da AFVC o fez. Portanto, crendo que os senhores autarcas não são cobardes (até olhando para as atitudes que vêm assumindo frente a entidades bem mais influentes e poderosas do que um pequeno jornal regional), só podemos concluir que Jorge Sárria não diz a verdade!

Claro que também não é verdade que tenha reunido com a direcção do jornal. Nunca o director do jornal teve uma reunião com o presidente da AFVC, além de alguns telefonemas (muito poucos, porque Jorge Sárria raramente atende as chamadas). Pessoalmente, apenas entrevistei em exclusivo Jorge Sárria numa ocasião, trabalho com a edição da jornalista Lúcia Soares Pereira e do operador Bruno Barbosa que pode ser visto em https://www.youtube.com/watch?v=HaAaL4pGJ1k. 

Aqui está outra mentira grave, mas como poderá sempre alegar que estão apenas em confronto as palavras do director do jornal e do presidente da AFVC, as melhores testemunhas da acusação a Jorge Sárria são mesmo os autarcas. 

Não vale a pena recordar o que o “Alto Minho” fez pelo futebol e pelos clubes da região nestes 25 anos. Para alguns, foi pouco, mas também não queríamos levar essa taça. Além destas mentiras, Jorge Sárria procurou humilhar o jornal, colando-o a uma página de uma rede social (cujo o autor também tem direito a expor os seus pontos de vista, a falar com as personalidades que decida e a contar com as colaborações que entender). Ou é ignorante ou fez de propósito. É que os mesmos treinadores que se queixavam dos árbitros e da AFVC nas páginas do “Alto Minho”  também o fizeram aos microfones da Rádio Geice, da Rádio Vale do Minho, da Rádio Barca, da Rádio Ondas do Lima, da Rádio Cerveira e da Rádio Valdevez. Poderia explicar melhor porque juntou na mesma frase um órgão de comunicação social, devidamente registado na ERC, com jornalistas titulares de carteira profissional e propriedade de uma empresa certificada, e uma página de uma rede social? 

Ou é mesmo ignorante ou também quer que se confunda o campeonato distrital de futebol com um torneio da sueca, onde há sempre um jogador com cartas marcadas que subverte as regras do jogo? Será que é esse o sinal que também quer transmitir? Que nos campeonatos de futebol temos de pedir ao dono da tasca para nos dar as cartas marcadas?

Já escrevi que os resultados da AF Viana do Castelo são uma vergonha e não vale a pena repeti-lo, até porque há gente mais preparada a afirmá-lo. Jorge Sárria tem o direito de criticar o jornal, mas também tem o dever de atender o telefone quando os representantes dos clubes e os jornalistas o querem contactar. Não atender e esperar que o jornal não publique a crítica (também legítima) dos outros protagonistas é o quê? Censura!

Além de um ditador de aviário, Jorge Sárria é incompetente porque os clubes da AFVC nunca lhe pediram arbitragens favoráveis, mas exigiam que defendesse os seus interesses e por isso alguns apoiaram outra lista de candidatos à Associação. Jorge Sárria ganhou, mas ficou claro que não queria que houvesse outra lista a enfrentá-lo. Até por isso todos os clubes deviam ter agradecido a coragem de António Amaral, mesmo os que não quiseram votar numa alternativa e que acham que pessoas como Jorge Sárria defendem melhor os seus interesses. Pela primeira vez, Jorge teve de pedir-lhes o voto!

Com Jorge Sárria, a AF Viana do Castelo viu cair quase todos os clubes para os campeonatos distritais, viu um caprichoso sorteio dar a oportunidade a dois clubes da Madeira cozinharem na última jornada um empate para despromover no mesmo ano Vianense e Neves e outro calendário ainda mais caprichoso colocar o Limianos (a única equipa da AFVC em competição) sem poder pontuar na última jornada e também descer, enquanto os vizinhos da AF Braga podiam acertar as contas à moda do Porto. Onde estava Jorge Sárria quando os clubes mais representativos do distrito precisaram que alguém acautelasse a verdade desportiva? 

Agora, apareceu cheio de coragem a atacar o jornal que mais tem defendido e promovido os clubes da AFVC. Como fugiu sempre como um rato a qualquer pergunta ou abordagem, enfiando a cabeça nas chuteiras mal-cheirosas com as meias bafientas do salazarismo futebolístico, é mesmo caso para perguntar: Quem lhe deu as ordens?