Rogério Brito: “Sentimos que os adeptos acreditam no Vianense”

0
719

Rogério Brito, 47 anos, vai assumir o cargo de treinador do Vianense até final da temporada, substituindo no cargo Ricardo Duarte, que deixou o clube na última posição do campeonato. O treinador da casa fala numa “segunda vida” que a equipa vai ter na fase decisiva da manutenção na Liga 3 e garante que não é “tapa-buracos” do Vianense. 

“Não é a primeira vez que assumo a equipa e a minha função é estar pronto para ajudar o Vianense. Conheço o clube, a cidade e os campeonatos e, por isso, tenho sido eu a fazer essa ligação quando há saída de treinadores”, assentiu o antigo jogador internacional sub21, com passagens por clubes como Belenenses, Estrela da Amadora e Salamanca. Depois da entrada da SAD no Vianense, Rogério Brito tem feito a passagem entre os treinadores que saem e os que entram. Aconteceu com Carlos Fernandes e António Oliveira. E, à terceira, o convite passou de temporário a definitivo. “Aceitei esse convite de forma natural. Faltam dez finais e ir buscar alguém de fora para dentro do grupo talvez não fosse benéfico. Falaram comigo e decidi aceitar porque não viro as costas ao meu clube”, justificou o novo treinador, refutando algumas considerações sobre ele que ouvem nos meandros do futebol. “Sei que se falava que eu não queria assumir porque estava cómodo na SAD, porque estava a ganhar o dinheirinho com tranquilidade e não é nada disso. Não sou tapa-buracos de nada. O meu papel era mesmo esse e só por isso é que não aconteceu antes”, atestou. 

“Esta é uma boa equipa e acredito que vamos conseguir a manutenção. Temos jogadores com muita qualidade e talento. Alguns jogaram fases finais na última época em clubes como Académica e Varzim e, por isso, estão  preparados para estes dez jogos. Serão partidas com grande carga emocional tal como aconteceu ao Vianense na última temporada na fase de subida à Liga3”, antecipa o técnico, que já sabe qual o caminho a seguir e não vai permitir qualquer desvio. “O que vai mudar é tentar meter a bola dentro da baliza e não sofrer na nossa. Como? Não sei, nem me interessa. Mas temos que o conseguir. Tivemos malta competente a trabalhar aqui, com bons treinos e bons métodos, mas o que tem que mudar são os resultados”, sentenciou. “Vamos separar o trigo do joio, meter a carne toda no assador, dar as mãos, fechar os olhos e ir em frente. Precisamos é do apoio de todos. Temos que ir com todos. Dentro e fora do campo. E já não há desculpas! Eu acredito na qualidade deles e no seu valor”, afirmou Rogério Brito, animado com a nova função. “Até agora as coisas não têm corrido bem, mas eles sabem que eu acredito. Vai ser até à última. É uma fase mata mata. Estou muito motivado e temos que aproveitar esta segunda vida. E foi isso que disse aos jogadores”, confidenciou. 

“Ainda não me esqueci dos aplausos na final do Jamor apesar daquela derrota na final. Nem da recepção que tivemos em Viana do Castelo. Esta época têm-nos acompanhado sempre, apesar dos resultados menos positivos. Eles têm estado connosco com maior ou menor frustração. No jogo contra o Braga B, estiveram quase 1000 pessoas no estádio e sentimos que eles acreditam”, afiançou. “Sabemos que estão chateados, mas nós também estamos. O ambiente que vivemos não é bom, mas eu tenho fé que com a ajuda deles nós vamos conseguir a permanência”, sustentou o timoneiro da equipa técnica, que será coadjuvado por Gregory Rogan, Luis Miranda, Nuno Magro e Carlos Cancela

LEIA TUDO NA EDIÇÃO DESTA SEMANA DO “ALTO MINHO”