Animais de companhia com “serviços de qualidade” em Cardielos

0
696

O novo Centro de Acolhimento Temporário de Animais de Companhia de Viana do Castelo foi inaugurado, 15 anos depois de ter sido idealizado e depois de um investimento que ronda os 800 mil euros. O novo espaço, que irá complementar o espaço intermunicipal que existe em Ponte de Lima e serve os dez concelhos do distrito, vai permitir acolher animais errantes e os serviços veterinários do município.

Na sua intervenção durante a inauguração do novo CATAC, o presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, Luís Nobre, recordou o processo e as suas “vicissitudes” que passou por entraves diversos mas que culmina com a abertura, já de imediato, da nova resposta. “Este é um momento de satisfação, sobretudo num momento em que se desperta para a consciencialização do bem-estar animal”, referiu, lembrando que “este foi um processo muito complexo mas também um bom investimento”.

“Valeu a pena o esforço e a vontade para ter este centro de acolhimento que não vem substituir o trabalho das associações, mas para ser mais uma ferramenta de trabalho, com serviços de qualidade”, vincou o autarca, sublinhando ainda que será assim consolidado “um trabalho já existente entre entidades diversas de âmbito regional”.

O centro de acolhimento e bem-estar animal, um investimento de cerca de 800 mil euros, foi construído num terreno com aproximadamente 4.070 metros quadrados de área total na freguesia de Cardielos (localiza-se na rua da Portela, sendo confinante com a Autoestrada 27). Ali, estão também agora os serviços veterinários do Município, que vão acolher os animais e ainda tratar de todas as questões normais de saúde pública veterinária.

O edifício principal surge no alinhamento da estrada que lhe dá acesso, sendo que a ligação ao interior do centro de acolhimento é feita pelo lado nascente, onde se localiza o estacionamento público. No átrio está instalado o balcão de atendimento, sanitários públicos, sala de reuniões e corredor para as divisões interiores. A poente localizam-se os balneários do pessoal e uma pequena copa, bem como uma área técnica acessível pelo exterior. Do lado nascente foram aglomeradas as funções de triagem, médicas veterinárias e higiene animal. Este núcleo, de medicina veterinária e do centro de acolhimento, foi o definidor da localização do edifício de quarentena/emergência, a nascente do principal.

Ainda no edifício principal, na zona posterior, ficam a cozinha de alimentação animal, o armazém de alimentos e material, a lavandaria e a zona técnica. O edifício quarentena/emergência fica a nascente do edifício principal, junto das funções médico veterinárias para potenciar esta sinergia. É composto por um cela semicircular e quatro celas com condições térmicas.

A entrada do edifício integra um mural pintado por um grupo de alunos de artes da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Viana do Castelo(ESE-IPVC) , que simboliza os animais domésticos no Centro de Acolhimento e Bem-Estar Animal de Viana do Castelo.