“O Laranjão” pode ser “o motor de arranque” para aumentar a literacia financeira dos alunos de Amares

0
183

A turma do 3ºG, do Centro Escolar D. Gualdim Pais, em Amares, foi a vencedora do 1º ciclo do 11º Concurso “No Poupar Está o Ganho!” com o projecto “O Laranjão” que se distinguiu entre cerca de 40 municípios participantes. No primeiro ciclo, concorreram mais de 9 mil alunos a este prémio da Fundação Dr. António Cupertino Miranda, entidade responsável pela implementação deste projeto de educação financeira. 

“Desde o início achámos que, além de ser um projeto pioneiro a nível nacional, era um projeto extremamente interessante, ao nível da literacia financeira, e muito pertinente não só por incutir, desde cedo, hábitos de poupança juntos dos mais novos, mas também por lhes ensinar a lidar com o dinheiro de uma forma mais racional, dotando-os de uma maior consciência para aprenderem a lidar com a parte emocional e fazer uma gestão adequada do dinheiro que lhes será muito útil no seu futuro”, sublinhou a vereadora da Educação de Amares, Cidália Abreu, que defende a integração da educação financeira na componente curricular desde o pré-escolar. 

A mesma opinião é partilhada pela diretora do Agrupamento de Escolas, Flora Monteiro. “Sou uma defensora da educação ao nível economia o mais cedo possível. Nós estamos a preparar-nos para um mundo muito difícil, portanto, é muito importante que eles aprendam economia, que eles aprendam poupança, uma série de questões ligadas à gestão diária, à gestão doméstica e a gestões mais difíceis que vão ter nos próximos anos”, sustenta Flora Monteiro. “Trata-se de um projeto que traz muito conhecimento e pode ser um motor de arranque para as outras crianças, para que participem e atinjam outros objetivos para Amares”, complementou a coordenadora do Centro Escolar de Amares, Maria José Fernandes. 

“Os resultados são o produto de uma equipa e não há dúvida de que a professora Elisabete Carvalho foi uma treinadora fantástica. Usando uma linguagem futebolística, ela teve uma acompanhamento e empenho fantásticos e os miúdos empenharam-se e trouxeram com eles todo o apoio que tiveram das famílias, portanto, é toda uma equipa ganhadora. Foi, de facto, um trabalho espetacular, considerou Inês Abreu, administradora executiva da Fundação Cupertino Miranda.