EMERN-Q apoia empresas de 85 concelhos do Norte

O projeto EMERN-Q – Qualificação de Micro e Pequenos Negócios, com um investimento global de mais de 670 mil euros, vai apoiar empresas de 85 concelhos do Norte a melhorar a sua competitividade. O projeto vai abranger municípios do distrito de Viana do Castelo, Porto e Bragança. Os promotores explicaram que “o EMERN-Q é cofinanciado pelo Programa Operacional Regional Norte 2020 e está dividido em dois territórios, alta densidade e baixa densidade”.

Nos territórios de baixa densidade “é a IN.CUBO que lidera a parceria”, com um investimento de 416.272 euros na qualificação de empresas. nA IN.CUBO, situada na freguesia de Guilhadeses, em Arcos de Valdevez, no distrito de Viana do Castelo, foi criada em 2007. A incubadora de iniciativas empresariais é participada pela Câmara de Arcos de Valdevez, pelo Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) e pela ACIBTM. Já nas regiões de alta densidade “é o Instituto Empresarial do Tâmega a promover o projeto que tem um orçamento de 372.492 euros”.

A parceria “junta ainda sete Associações de Desenvolvimento Local (ADL), a ADRIMINHO, DESTEQUE, CORANE, DOURO SUPERIOR, ADERSOUSA, ADRITEM e ADRIMAG e uma entidade de ensino superior, o Instituto Politécnico de Bragança”.

O projeto EMERN-Q – Qualificação de Micro e Pequenos Negócios “vem dar seguimento ao EMER-N – Empreendedorismo em Meio Rural na Região Norte, lançado em 2016, que tinha como objetivo apoiar empreendedores e empresários a constituir ou transformar o seu negócio”. A primeira iniciativa, também financiada por fundos comunitários, envolveu “mais de 1.000 empresas e empreendedores de 85 municípios do Norte de Portugal, superando as expectativas e os objetivos então previstos”.

“Com um investimento total de dois milhões de euros, permitiu criar 267 novas empresas, apoiar outras 328 já existentes, contribuindo para criar 428 postos de trabalho e proporcionando um volume de negócios de 31 milhões de euros”, realça a nota.

Segundo as entidades promotoras, o lançamento do EMERN-Q é justificado com “as dificuldades que muitas destas empresas estão a enfrentar, em consequência da crise sanitária e económica, provocada pela Covid-19”. “Esta segunda etapa do projeto visa qualificar as empresas então apoiadas no EMER-N, bem como todas as micro, pequenas e médias empresas da região Norte e empresários em nome individual, para melhor enfrentar e superar a atual situação. Qualificar é, nesta fase, a palavra de ordem”, acrescenta.

Para os promotores das novas ações, “é necessário apoiar os empresários nas áreas da gestão, torná-los mais competitivos, apostar em novos e diferenciados produtos e serviços, contribuir para a criação de mecanismos de apoio à comercialização e à promoção”. “A troca de experiências e conhecimentos também é valorizada nesta fase do projeto, capaz de gerar estratégias empresariais que permitam melhorar os resultados económicas das empresas envolvidas”.