Grupo Crédito Agrícola com resultado líquido de 95,8 milhões de euros

0
454

O resultado Líquido do Grupo Crédito Agrícola, durante o 1º trimestre de 2023, cifrou-se em 95,8 milhões de euros, representando uma rentabilidade de capitais próprios de 18,4% e para a qual concorreram os contributos positivos das principais componentes do grupo (banca, seguros vida e não vida e gestão de activos).

O produto bancário core atingiu 214,5 milhões de euros, representando um crescimento homólogo de 59,5%, e a margem financeira aumentou 78,1 milhões de euros face a Março de 2022 e resultado líquido correspondente a um aumento de 60,1 milhões de euros, influenciado essencialmente pelo crescimento do produto bancário.

“É importante referir que os resultados líquidos obtidos no primeiro trimestre de 2023 reflectem a actual situação económica e as condições de mercado, mais positivas do que era expectável, e que vieram impulsionar, de uma forma mais rápida, os níveis de crescimento sustentáveis que temos vindo a apresentar, ano após ano. Devido à conjuntura que as famílias e as empresas atravessam, o banco tem vindo a reforçar os seus fundos próprios, com o objectivo de dar resposta às necessidades mais urgentes dos seus clientes. Importa, ainda, salientar que o Crédito Agrícola registou um incremento na base de clientes, quer no segmento empresas, quer no segmento particulares, o que tem contribuído para que o Grupo CA se mantenha um banco sólido, resiliente e que contribui diariamente para a economia das comunidades onde se encontra”, sublinhou Licinio Pina, presidente do Grupo Crédito Agrícola.

De referir que o Crédito Agrícola é o único banco a operar em Portugal filiado no sector bancário cooperativo europeu (que integra alguns dos maiores bancos mundiais), sendo um Grupo de referência no sistema bancário português, com capitais exclusivamente nacionais, do qual fazem parte um conjunto de empresas financeiras, entre as quais as seguradoras CA Vida e CA Seguros, disponibilizando uma oferta universal de produtos e serviços financeiros e de protecção.

Através da implementação de uma estratégia coordenada entre as 71 Caixas de Crédito Agrícola Mútuo que o compõem, o Grupo CA prossegue comprometido com o desenvolvimento económico e social das regiões, cidades e vilas portuguesas, bem como em contribuir para a coesão social e territorial de Portugal, praticando uma banca de proximidade consubstanciada na capilaridade territorial das suas 617 agências. O Crédito Agrícola possui 715 ATM e 262 agências isoladas, em localidades em que não existe oferta de outras instituições bancárias e apresenta 1.105 ATM e 522 agências adaptadas a pessoas com mobilidade reduzida. O Crédito Agrícola reforça, deste modo, o seu papel na coesão territorial e na inclusão financeira.

A evolução do Crédito Agrícola na Sustentabilidade fica patente no caminho que tem vindo a percorrer desde 2019, ano em assumiu a visão de se tornar uma “referência em Sustentabilidade em Portugal”. No primeiro trimestre de 2023, destacam-se os seguintes projetos e iniciativas: no início de 2023, o Crédito Agrícola publicou o Relatório de Alocação e Impacto da obrigação social inaugural de 300 milhões de euros (2021), assinalando os 479 milhões de euros de financiamentos concedidos a projectos / empresas com objectivos sociais enquadrados no Framework entre Novembro de 2021 e Setembro 2022, bem como respectiva a cobertura de 2.179 Microempresas e PMEs em regiões menos privilegiadas e 50 Instituições sem fins lucrativos; em Março de 2023, o Grupo CA lançou a 3ª edição do concurso “Dia CA Sempre Sustentável” com o objectivo de reconhecer e premiar o trabalho de entidades da economia social promotoras de projectos dinamizadores da descarbonização, economia circular ou protecção e restauro dos ecossistemas naturais; O Crédito Agrícola destaca-se no sector bancário nacional com um Rating de Risco ESG de 20,0 atribuído pela Sustainalytics em Maio de 2023, considerado risco médio, muito próximo do nível de risco baixo. A Sustainalytics é uma agência independente de rating e de análise de critérios de ESG e de Corporate Governance.