“AD Chafé precisa de mais um campo sintético”

0
902

Carlos Morais assumiu recentemente o cargo de presidente do Chafé, mas a sua ligação ao clube já tem muitos anos. A equipa foi despromovida na época anterior e o objetivo é regressar à I Divisão. A formação é uma aposta do novo presidente, assim como o futebol de praia.

Carlos Morais era o vice-presidente quando o ex-presidente pediu a demissão e passou há dois meses a desempenhar essa função. “Já estava no clube há vários anos e agora foi a minha vez de ser presidente”, registou.

Para liderar a equipa sénior recrutou um jovem treinador, Fábio Pelé, mas sempre com o objectivo de subir de Divisão. “Fizemos uma equipa com o objetivo de andar nos lugares cimeiros para tentar subir de Divisão. É uma tarefa complicada porque todos os jogadores pedem dinheiro e não temos orçamento para isso. Da época passada ficaram dez jogadores e tentámos contratar miúdos novos e com ambição”, apontou, elogiando o jovem técnico. “A aposta no treinador foi minha. É um treinador jovem, que ia ser um bom jogador, mas as lesões não deixaram. É sobrinho do antigo treinador, o Pisco, por isso ficou em família. Os jogadores estão a gostar muito dos seus métodos de trabalho e isso é importante”, realçou.

O presidente afirmou que o Chafé é um clube de I Divisão, embora não tenha os recursos financeiros de outros clubes. “Sabemos que existem clubes que investiram forte na subida, mas vamos fazer o nosso melhor. O Chafé tem condições para estar na I Divisão e já esteve durante muitos anos, mas financeiramente não consegue acompanhar os outros clubes”, lamentou.

No futuro pretende voltar a ter uma equipa de futebol de praia. “O ideal era ter outro campo sintético para os miúdos da formação, mas sabemos que isso será complicado. Nesse local fizeram, este Verão, um campo de futebol de praia. O Chafé já teve uma equipa de futebol de praia e podemos pensar na possibilidade de regressar”, sublinhou.

Na formação Carlos Morais quer ter atletas em todos os escalões. “Até aos Iniciados a gestão da formação é feita pela Geração Benfica. Contudo, esta temporada vamos avançar com uma equipa de juvenis e daqui a um ano ou dois tentar também uma de juniores. Esta época a equipa de Iniciados vai disputar o campeonato nacional. Para as deslocações contamos com o apoio da autarquia, mas a maior dificuldade foi em reforçar a equipa. O plantel da época anterior era quase todo de segundo ano e tivemos de procurar muitos jogadores, com o Barroselas e Vianense também no nacional essa tarefa foi mais difícil”, reconheceu.