Rui Massena abre Percursos da Música de Ponte de Lima

0
216

O Município de Ponte de Lima através do Teatro Diogo Bernardes promove mais uma edição do Festival Percursos da Música que, este ano, conta com dezanove dias de um programa de espetáculos culturais, em sucessão contínua, que passa pela música clássica, erudita e contemporânea, de 13 a 31 de julho/24.

Destaque, no dia 13 de julho, para a abertura do Festival, Rui Massena a Solo, com um espetáculo que contém uma passagem pelos quatro álbuns do músico. Tem como foco proporcionar ao público vários ambientes, com um light e sound design específicos, como se de uma viagem se tratasse; no dia 31 de julho, para encerramento do Festival, no ano em que se assinala os 50 anos do 25 de Abril, Mário Laginha e Pedro Burmester regressam aos palcos com celebram a Liberdade com um reportório constituído por grandes canções de músicos portugueses de excelência como José Mário Branco, Sérgio Godinho, José Afonso, e Fausto Bordalo Dias.

“Com este festival pretende-se continuar a manter o seu cariz único, diferenciador e distintivo, com uma oferta de concertos eclética, para diversos públicos, com músicos e grupos de renome nacional e internacional, distribuídos pelos espaços, enaltecendo enquadramentos arquitetónicos únicos da vila de Ponte de Lima e Arcozelo, sem recurso a equipamentos técnicos que descaracterizem o meio envolvente, aproveitando as possibilidades dos lugares selecionados pelo património histórico construído, abrindo portas para a fruição cultural”, enquadrou a autarquia.

Propõe-se uma linha programática coerente entre estilos musicais, intérpretes, instrumentos, formações, e este ano 2024, dada a sua pertinência, alguns espetáculos terão como foco as comemorações dos 50 anos do 25 de abril, o V centenário do nascimento de Luís de Camões e os 25 anos da morte de Amália Rodrigues.

A EPTA-Portugal é uma associação de pianistas e professores de piano, membro da European Piano Teachers Association (EPTA -Europe). Sob a presidência do pianista e pedagogo Luís Pipa, a associação tem realizado anualmente, com o apoio do Município de Ponte de Lima, o Piano Festival & Masterclasses, combinando uma semana de cursos intensivos de piano durante o mês de julho, numa quinta de Ponte de Lima, com a realização de um conjunto de concertos integrados no Festival Percursos da Música que, no presente ano, contemplam os seguintes: no dia 16 de julho, A Lírica de Camões, com Dora Rodrigues (soprano), Luís Pipa (piano) e António Durães (ator); no dia 18 de julho, Da mão esquerda do piano romântico às raízes populares da música turca, Hande Dalkiliç; no dia 20 de julho, Percursos europeus, com Anne Mercier (violino), Sébastien Paul (violoncelo) e Duo Jost Costa (Piano a 4 mãos) e, no dia 21 de julho, Concerto de encerramento da Masterclasse EPTA Portugal.

Salienta-se a aposta na participação de músicos limianos e/ou residentes em Ponte de Lima no Festival Percursos da Música: no dia 15 de julho, o projeto Amália 25, que integra o limiano Luís Grego (clarinete), juntamente com Maria João Matos e Sara Llano (violinos), Precília Diamantino (Viola d’arco) e Rogério Medeiros (violoncelo); no dia 22 de julho, Diálogos musicais através dos tempos, com a participação do limiano Jorge Sousa (clarinete) e Isolda Crespi Rubio (piano); no dia 24 de julho o espetáculo de apresentação dos Laureados do X Concurso Internacional de Sopros do Alto Minho e do I Concurso Internacional de Canto do Alto Minho, promovido pela Academia de Música Fernandes Fão, em Ponte de Lima; no dia 26 de julho a APPACDM de Ponte de Lima apresenta o espetáculo À margem, onde poderá assistir-se ao resultado do trabalho desenvolvido nos workshops de uma residência artística no âmbito do CriArte 2024 e no dia 28 de julho, o Trio Eire, com a participação da harpista Eleonor Picas, que juntamente com Carolina Magalhães (violino) e Beatriz Magalhães (violoncelo) apresentam o espetáculo Danças Intemporais.

A presença do Jazz marca o Festival com a Escola de Jazz do Porto, no dia 17 de julho, na Praceta do Paço do Marquês, com o Tributo ao compositor Johnny Green (1908-1989), formação composta Alexandre Curopos na voz e na composição de algumas letras (de problemas atuais); André Ramos na guitarra elétrica; Pedro Barreiros no baixo elétrico; Miguel Martins na bateria e AI na percussão (feita pelo computador).

Destaque ainda para os seguintes espetáculos: Tributo a Zeca Afonso – Marimba & Violoncelo, com Márcio Pinto e Catarina Anacleto, no dia 14 de julho, uma fusão de culturas que interpreta músicas que marcaram, para sempre, a História de Portugal, numa união invulgar que reinterpreta a obra de José Afonso; no dia 19 de julho, Marylebone Duo com um Recital de Guitarra Clássica e Violoncelo por Diogo Carlos e Tiago Anjinho; no dia 23 de julho, o Maat Saxophone Quartet interpreta um programa que vai desde música operática do século XIX até à música contemporânea, passando pelo Fado. Com arranjos originais do grupo, o quarteto português sediado na Holanda irá interpretar compositores como Isaac Albéniz, Franz von Suppé ou Camille Saint-Säens, assim como obras originais de Ramin Amin Tafreshi e Alejandro Erlich Oliva; no dia 25 de julho, Duo de Flauta e Piano, por Luís Meireles e Maria José Souza Guedes apresentam um programa tendo como motivo principal a ópera que inclui variações e fantasias virtuosas sobre óperas famosas como a Cinderela de Rossini, a Traviatta de Verdi e a Carmen de Bizet. No programa está também presente a música portuguesa, com duas pequenas obras de carácter exótico de Alexandre Rey Colaço e uma bela melodia de Joly Braga Santos, que celebra este ano o centenário do seu nascimento; no dia 27 de julho, o italiano Davide Ambrogio apresenta Evocazioni e Invocazioni, álbum lançado em novembro de 2021 como resultado da sua demanda pela profundidade do canto e pelo poder estético e extático da música, tendo ganho o prémio Top of The World Album da revista Songlines; no dia 29 de julho, A Música na Poesia Camoneana, por Luísa Barriga (soprano) e António Oliveira (piano), num recital de celebração dos 500 anos do nascimento de Luís de Camões (1524-2024) composto por canções de vários compositores portugueses sobre poemas do insigne poeta e de grande importância cultural e artística para o nosso panorama musical português; e, por fim, no dia 30 de julho, Inês Vaz e Pedro Santos (acordeão), apresentam As 4 estações de Vivaldi, os dois músicos propõem uma revisita a uma das obras mais icónicas e conhecidas do compositor e da época barroca, numa transcrição realizada por ambos para dois acordeões.

Todos os espetáculos são gratuitos, de lotação limitada ao espaço e realizam-se sempre às 22.00 horas.