Documentário sobre o Caminho da Geira vence festival de cinema na Alemanha

0
234

Um documentário filmado no Caminho da Geira e dos Arrieiros, intitulado “O Meu Caminho”, do realizador Pedro Gil Vasconcelos, venceu a edição de agosto do New Wave Short Film Festival, na categoria de Melhor Documentário de Fé & Religião, em Munique, na Alemanha.

“Este é um prémio muito especial, pois espelha o reconhecimento internacional da obra e constitui a confirmação de que para se ter um filme, mais do que tudo, temos de ter uma boa história e imaginação para a contar da forma certa”, considerou o realizador, natural do Porto.

O filme foi rodado em 2021 e culminou um projeto que o realizador acalentava há algum tempo. “Tinha planeado um documentário sobre o Caminho de Santiago, mas não estava a conseguir reunir as condições para o produzir”, refere, destacando o papel de Adriano Carneiro, seu “companheiro de viagem e protagonista do documentário”.

“Em 2021 decidi retomar o projeto e redimensioná-lo, adaptá-lo a novas formas de produção. A evolução que os telemóveis trouxeram permitiu-me abordar o filme numa perspetiva atual, de baixo impacto e com custos extremamente controlados”, explica o realizador, licenciado em cinema e audiovisuais pela Escola Superior Artística do Porto.

Assim, “O Meu Caminho” (ver apresentação) resulta da vontade de fazer a pé os 240 quilómetros do caminho jacobeu que liga Braga a Santiago de Compostela, grande parte pela Via Romana XVIII (a Geira), atravessando o Parque Nacional da Peneda Gerês e as regiões galegas do Xurés e do Ribeiro.

“Entendi que este teria de ser um projeto com um orçamento muito limitado. Optei pelo baixo impacto de emissões de carbono na produção e daí ter usado transportes públicos e toda a fase de rodagem ter sido a pé. E também por usar o meu telemóvel de todos os dias. Depois foi, mais do que tudo, um exercício de escrita e de imaginação”, explica Pedro Gil de Vasconcelos, que já percorreu doze caminhos de Santiago.

Neste contexto, este festival na Alemanha, que mensalmente destaca as melhores curtas metragens, foi o destino natural para “O Meu Caminho”, pois pretende criar uma oportunidade para cineastas emergentes. O seu objetivo é apoiar filmes de baixo orçamento que criam novas experiências e narram histórias únicas com recursos limitados. Além disso, pretende “entender como os cineastas de todo o mundo trabalham, como os jovens cineastas são criativos para superar os obstáculos da produção e como as suas tentativas podem levar a uma nova forma de cinema”.

“O Meu Caminho” foi produzido pela Completa Mente, com edição de Marcos Nunes (Cia Films) e apoio de Jorge Medeiros (VideoContacto).