António Costa e José Maria Costa na ONU para “melhorar o financiamento da economia azul sustentável”

O primeiro-ministro, António Costa, e o secretário de Estado do Mar, José Maria Costa, participaram, em Nova Iorque, numa reunião de líderes do Painel de Alto Nível para uma Economia Oceânica Sustentável.

O secretário de Estado do Mar, José Maria Costa, falou aos jornalistas em Nova Iorque sobre o Painel de Alto Nível para uma Economia Oceânica Sustentável, referindo que esta “é uma organização de 17 países” de que Portugal faz parte, atualmente empenhada em “mobilizar mais investidores”.

“Neste momento, a discussão que está em cima da mesa é como é que se pode melhorar o financiamento para a economia azul sustentável, esse tem sido o debate preparatório”, declarou José Maria Costa.

Segundo o secretário de Estado, “há preocupações de todo o mundo relativamente a algumas das áreas prioritárias, nomeadamente a conservação de áreas marinhas protegidas, e como é que muitos países, nomeadamente países menos desenvolvidos, poderão fazer essa mesma conservação sem os meios”.

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu que o investimento do setor privado é indispensável para o desenvolvimento de uma economia do mar sustentável e pediu ambição aos líderes políticos.

António Costa assumiu estas posições numa reunião de líderes do Painel de Alto Nível para uma Economia Oceânica Sustentável, do qual fazem parte, além de Portugal, países como Noruega, França, Quénia e Estados Unidos da América.

O primeiro-ministro manifestou-se otimista quanto à conclusão de “um tratado ambicioso sobre a conservação e uso sustentável da biodiversidade marinha em áreas fora da jurisdição nacional”.

Segundo António Costa, este fórum de líderes políticos “pode desempenhar um papel importante”, mas “os Estados e o investimento público só por si não são suficientes” nesta matéria. “Soluções sustentáveis requerem apoio público e privado, comprometido e global. O setor privado e as instituições filantrópicas são cruciais para assegurar a transição para soluções descarbonizadas, não poluentes e protetoras da biodiversidade”, acrescentou.

O primeiro-ministro assinalou que Portugal vai organizar em 2023 uma segunda edição do fórum sobre economia azul que decorreu no Estoril, Cascais, em junho deste ano. “O nosso objetivo é manter a plataforma aberta, ligando investidores e potenciais beneficiários, permitindo-lhes compreender como podem ter acesso aos financiamentos disponíveis”, afirmou.

António Costa terminou o seu discurso com um apelo aos seus pares neste fórum: “Não baixemos a nossa ambição e asseguremos que 2023 e os anos seguintes continuem a ter o oceano como elemento central da agenda internacional”.