PIMM’s abre em Ponte de Lima

0
1229

A lareira acesa é o coração do PIMM’s, o novo restaurante de Arcozelo, em Ponte de Lima, que abriu portas recentemente e promete momentos de aconchego para o estômago e para a alma. Lá fora, o centenário carvalho que deu nome ao anterior restaurante vai também voltar a florescer.

Casimiro Quintas é o chef e empresário por trás do renovado espaço, que nasceu inspirado pelo PIMM’s Angola, restaurante criado, há mais de 20 anos, por este “self made man” nascido em Lanheses e “filho” de Ponte de Lima. O nome PIMM’s é o acrónimo de “Produção de Iguarias e Acepipes Martins dos Santos”, empresa que Casimiro comprou em Luanda e deu origem ao restaurante que hoje é uma referência em Angola, classificado como a “embaixada dos sabores portugueses” no país.

O PIMM’s de Ponte de Lima começou a ser pensado em 2016, quando Casimiro conseguiu comprar o espaço onde funcionava o restaurante “A Carvalheira”. Na altura da pandemia foram feitas as obras e agora o chef, que se orgulha de ter começado a trabalhar como ajudante de cozinha a descascar batatas e lavar panelas, abriu as portas do seu mais recente projecto que assenta a sua imagem na Torre da Cadeia Velha e na emblemática ponte de Ponte de Lima. 

“O PIMM’s de Ponte de Lima tem a mesma linhagem do restaurante de Angola, tem quase a mesma ementa”, referiu Casimiro, garantindo que, no PIMM’s de Ponte de Lima, as refeições são feitas com amor. “Após 47 anos de experiência em hotelaria e depois de muitas vitórias no estrangeiro, senti que era o momento de regressar a casa, sem muita pressa. Vou voltar devagarinho e fazer o meu melhor”, assegurou o chef de 60 anos.  “Este é um restaurante para negócios. Era para se chamar Alboroque, que é uma palavra que a minha avó paterna de Fontão utilizava para aqueles almoços mais refinados, como um repasto que é feito para celebrar um negócio”, explicou Casimiro Quintas, que acabou por optar por PIMM’s pela notoriedade que esse nome já granjeou junto da sua clientela.

O PIMM’s de Ponte de Lima está aberto ao almoço e jantar. Fecha ao domingo à noite e segunda-feira e dá trabalho actualmente a oito pessoas.